Style Guider

Susana Chaves | Editora de beleza da Vogue

Susana é jornalista há 20 anos, a maioria deles em revistas femininas como Editora de Beleza. Passou pela Cosmo e pela Activa, e teve umas breves incursões por outras áreas, na Visão7 e na extinta Mundo Vip. Integra a redacção da Vogue Portugal desde a sua fundação, em 2002, onde é Editora de Beleza, e os últimos 11 anos têm sido recheados de páginas, viagens, entrevistas e eventos dedicados ao fascinante mundo da cosmética e dos perfumes. Tudo somado, Susana já deu a volta ao mundo várias vezes, para conhecer cremes em Tóquio, perfumes em Moscovo, sabonetes em Israel e segredos de beleza de astronautas em Viena, entre outros. Conhece melhor Paris do que Lisboa e, à conta de tantas viagens, um dos seus programas preferidos é… ficar em casa a encher a sua filha de mimos. O seu projecto mais recente, ligado à Vogue, é o blog Beauty Airlines, onde faz o relato dos bastidores do seu dia-a-dia em busca do creme perfeito, da cor de verniz do momento, de um instantâneo durante uma entrevista, de um press-release original. Faz colecção de perfumes e tem uma espécie de hobby ligado à aviação comercial: “anoto as matrículas dos aviões onde viajei (faltam-me só uma dúzia para ‘ter’ a frota da TAP), pedincho aterragens nos cockpits e colo o nariz às janelas dos aeroportos internacionais para conseguir ver de perto o A380”. Susana Chaves é nossa Styleguider e revela-nos um pouco do seu beauty world, sem esquecer as tendências para a próxima estação (Primavera/Verão) e os seus locais de eleição. Delicie-se…

Como defines o teu estilo?
Gosto de influências desportivas, que tento casar com um estilo neo-clássico. Do género: ténis e pérolas.

Qual o criador de moda a quem davas poderes de fada madrinha?
Riccardo Tisci, da Givenchy.

A peça ou acessório de moda que é a tua cara?
Ténis e casacos de malha, I can’t get enough.

A tendência da estação a que não vais dar a hipótese de conhecer o teu armário?
Folhos.

E a tendência que foi paixão à primeira vista?
A influência oriental e a continuação da mistura de padrões.

Branco ou preto?
Nesta estação, ambos.

Simples ou complicado?
Simples, please!

Confortável ou sofisticado?
Confortável e sofisticado.

Que música, filme ou livro têm influenciado mais o teu trabalho ultimamente?
Nenhum destes é a maior influência. Vivo mergulhada em revistas, por razões óbvias, e também já não passo sem algumas referências digitais. Das edições internacionais da Vogue, à Monocle, passando pela Project (só em iPad), o Pinterest e Instagram, são os principais inspiradores. Ainda assim, a arte que mais influencia o meu trabalho é a fotografia. Sou fã do Tim Walker, do Guy Bourdin e do Wolfgang Tillmans.

Qual o criativo que gostarias que te telefonasse a dizer: “Tive uma ideia e gostava de trabalhá-la contigo…”.
Vou escolher três: Jacques Polge, o “nez” da Chanel; Sir Richard Branson; e Riccardo Tisci.

Qual a peça ou acessório de moda que tens raiva de não teres sido tu a criar?
Os ténis.

 

O Guia de Susana Chaves

Os meus locais de eleição

O restaurante?
Adoro petiscos e qualquer ‘tasquinha’ me serve, desde que tenha boas navalheiras, percebes, ostras e conquilhas. Também me perco por um bom restaurante japonês e gosto muito do Sushi Design, no Hotel Farol Design, em Cascais.

A tua região preferida em Portugal?
É mesmo onde moro, em Cascais, e a Costa do Estoril. Aquela marginal não tem preço.

O café (espaço)?
O Azimut, que também é restaurante, na Praia da Rata (ou Moita, se preferirem), no paredão de Cascais. De Verão ou de Inverno, estou lá caída.

O melhor espaço para concertos?
É onde quer que forem tocar outra vez os meus ‘good old’ The Young Gods. Se eles vão, eu estou lá.

O  festival que nunca perdes?
Costumava ir ao Boom e ao SBSR , mas "já dei para o peditório" de comer poeira e passar noites aos encontrões. Os meus níveis de exigência e conforto apuraram-se, sobretudo depois de ter cometido a loucura de ir ao Rock in Rio grávida de 7 meses.

O sítio para sair à noite?
Desde que fui mãe, saio muito pouco, passo pouco tempo com a minha filha, e a coisa que mais gosto é de estar com ela. Acabo por sair mais à noite nalgumas viagens de trabalho, onde conste no programa algum evento especial nocturno. A última festa inesquecível onde fui, foi em casa do Roberto Cavalli, ao pé de Florença, com o próprio, numa party privada com DJ que durou até de madrugada. Aquele homem sabe divertir-se.

 

O destino de férias?
Qualquer spot sossegado no Algarve, desde que a água seja (bem) quentinha. Passei infindáveis Verões em Vale do Lobo mas, nos últimos anos, temos ido para zona de Tavira. Tenho saudades das férias na neve. Estou à espera que a Érica cresça e que a Troika desapareça.



 

O lugar na cidade que tens a mania que é teu?
Em Cascais, a Guia.

Um lugar que tens a mania que mais ninguém conhece?
O rooftop do Hotel Baía,  em Cascais. Piscina, café, bar... um paraíso escondido.

Um lugar que toda a gente já conhecia e ao qual foste pela primeira vez há pouco tempo?
Ao Decadente. Adorei a comida e o serviço.

Um passeio que te faz saltar da cama?
Um lanche/passeio/jantar com amigos, não importa aonde.

O hotel pelo qual trocavas já hoje o conforto do lar?
Durmo mais de umas boas 40 noites por ano em hotéis, é difícil apetecer-me trocar a casa por um quarto de hotel, mas... talvez o Martinhal, em Sagres . Gostei muito de lá ter ficado. Em Lisboa, o Ritz, seguramente.

O restaurante do qual fazias a tua cantina?
Onde pudesse comer bom sashimi, loucamente, todos os dias.

O bar na cidade para o qual vale a pena perderes tempo a produzir-te?
Sou Editora de Beleza da Vogue. Produzir-me é o meu middle name, quer saia, quer não saia.

O espaço nocturno que consegue arrancar-te do sofá?
Ver a resposta em “O melhor espaço para concertos”.

O cabeleireiro ao qual te entregas de olhos fechados?
Sem hesitar, ao Patrick para o corte, e ao Fernando para a cor. (salão Patrick, na Av Liberdade).

A loja onde gostarias de ter crédito ilimitado?
Na Fashion Clinic. Fora de Portugal já seria na Urban Outfitters e Top Shop .

Créditos:

Entrevista: Marisa Folgado, Fotos: Rankin, Fotos de detalhes: Susana Chaves

X Fechar comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 

Detalhes

  • Ver maior
    <p>Eu sei, é um bocado lamechas, mas o Skippy foi o meu primeiro urso de peluche, tenho-o desde o meu primeiro aniversário. Sobreviveu a várias cirurgias estéticas e reconstrutivas.</p>

    Eu sei, é um bocado lamechas, mas o Skippy foi o meu primeiro urso de peluche, tenho-o desde o meu primeiro aniversário. Sobreviveu a várias cirurgias estéticas e reconstrutivas.

  • Ver maior
    <p>Guardo todos os guias das viagens que fiz.</p>

    Guardo todos os guias das viagens que fiz.

  • Ver maior
    <p>Em 2001, logo após o 11 de Setembro, passei um mês na Índia. Este Ganesha é um talismã dessa aventura.</p>

    Em 2001, logo após o 11 de Setembro, passei um mês na Índia. Este Ganesha é um talismã dessa aventura.

  • Ver maior
    <p>Tenho alma de coleccionadora. Junto perfumes há mais de 20 anos e, depois de me tornar Editora de Beleza, a colecção assumiu proporções consideráveis.</p>

    Tenho alma de coleccionadora. Junto perfumes há mais de 20 anos e, depois de me tornar Editora de Beleza, a colecção assumiu proporções consideráveis.

  • Ver maior
    <p>Um amigo a quem perdi o rasto, sabendo do meu gosto por aviões, pintou e ofereceu-me este quadro num aniversário. Obrigada Zé, é mesmo um favorito meu!</p>

    Um amigo a quem perdi o rasto, sabendo do meu gosto por aviões, pintou e ofereceu-me este quadro num aniversário. Obrigada Zé, é mesmo um favorito meu!

  • Ver maior
    <p>Já lá vai o tempo do rum e do absinto. Agora sou uma rapariga que se perde por uma boa ginja de Óbidos. Foi o único desejo que tive durante a gravidez.</p>

    Já lá vai o tempo do rum e do absinto. Agora sou uma rapariga que se perde por uma boa ginja de Óbidos. Foi o único desejo que tive durante a gravidez.

  • Ver maior
    <p>Sou fã dos The Young Gods. Vi quase todos os concertos em Portugal, tenho quase todos os CDs. Tudo autografado por eles.</p>

    Sou fã dos The Young Gods. Vi quase todos os concertos em Portugal, tenho quase todos os CDs. Tudo autografado por eles.

  • Ver maior
    <p>Muito antes de sonhar trabalhar na Vogue, já coleccionava a edição inglesa; desisti ao fim de 25 anos por falta de espaço. Esta edição da Vogue americana, é do mês e ano em que nasci.</p>

    Muito antes de sonhar trabalhar na Vogue, já coleccionava a edição inglesa; desisti ao fim de 25 anos por falta de espaço. Esta edição da Vogue americana, é do mês e ano em que nasci.

  • Ver maior
    <p>Por muito que adore e use as novas tecnologias, não me consigo separar de um bom bloco de notas como estes da Smythson, e de uma caneta especial, como esta Montblanc, de apara.</p>

    Por muito que adore e use as novas tecnologias, não me consigo separar de um bom bloco de notas como estes da Smythson, e de uma caneta especial, como esta Montblanc, de apara.

  • Ver maior
    <p>Com os The Young Gods, numa visita aos bastidores para pedir autógrafos. Já se habituaram e fazem-me sempre uma festa. Uma vez, até me levaram a beber copos.</p>

    Com os The Young Gods, numa visita aos bastidores para pedir autógrafos. Já se habituaram e fazem-me sempre uma festa. Uma vez, até me levaram a beber copos.

  • Ver maior
    <p>O meu avô sueco, Per-Olof Persson, fazia e tocava violino para os netos. Este foi feito por ele.</p>

    O meu avô sueco, Per-Olof Persson, fazia e tocava violino para os netos. Este foi feito por ele.

  • Ver maior
    <p>Cá em casa somos dois jornalistas e esta é a colecção conjunta de acreditações de imprensa.</p>

    Cá em casa somos dois jornalistas e esta é a colecção conjunta de acreditações de imprensa.